indika.tv - Primeiras impressões - "Mike" é um pouco de HBO no Star+

Bem-vindo ao Blog da Viu Review

Segunda, 29 Agosto 2022 10:07

Primeiras impressões - "Mike" é um pouco de HBO no Star+

Escrito por
Rate this item
(0 votes)

Não só pela polêmica envolvendo o seu lançamento, “Mike: Além de Tyson” traz o mesmo conceito narrativo com fortes elementos de cinebiografia de "Lakers: Hora de Vencer", da HBO, para o boxe e para o Star+ e já te adianto: funciona demais! Confira o que achamos:

Quando Mike Tyson tuitou que não aprovava a forma como sua vida seria retratada pela HULU, e pelo excelente Steven Rogers (de "Eu, Tonya"), inclusive com o agravante de que a plataforma de streaming teria roubado essa história e não pago por ela (sem falar que Tyson ainda comparou essa situação a um leilão de escravos), ficou claro que teríamos uma minissérie polêmica sob os holofotes por pelo menos 8 semanas e, embora focando em outros aspectos, os comentários do boxeador trouxe para a mesa algo que Kareem Abdul-Jabbar e Jerry West também se incomodaram ao ver a série da HBO sobre eles e o Lakers - o esteriótipo!

São comentários pertinentes, mas como toda cinebiografia, alguns ajustes narrativos são essenciais para que se crie uma trama cheia de conflitos e que, além de retratar a vida do(s) esportista(s) ou de uma jornada especifica, ainda entretenha uma grande audiência - que inevitavelmente vai escolher alguém para torcer e para odiar. É claro que a performance dos atores podem de alguma forma parecer caricata, já que é natural elevar o tom em alguma característica mais conhecida do grande público ou que possa impactar na maneira como a história vai caminhar - no caso de "Mike", a sensação é a mesma que em "Lakers: Hora de Vencer": Trevante Rhodes usa e abusa dos trejeitos de Tyson, mas, me pareceu, que dentro de um contexto funcionou perfeitamente.

Com relação história em si, em dois episódios fica um pouco complicado cravar que as escolhas do roteiro foram as mais apropriadas pensando exclusivamente no "conteúdo", porém é inegável que a minissérie vem carregada de criatividade na "forma" graças a uma competente direção de Craig Gillespie (de "Pam & Tommy"), de Tiffany Johnson (de "Cara Gente Branca") e do Director X (um dos caras mais feras no mundo em vídeos musicais e que acaba de migrar para ficção), fazendo com que a trama flua perfeitamente. Confesso que a minutagem dos episódios me surpreendeu um pouco: eu esperava algo em torno de 45/60 minutos, mas a entrega foi de 30 minutos - para mim, soou corrido, conciso demais.

Um fato interessante e que traz muita realidade para a narrativa, foi a escolha conceitual de ter Mike Tyson como narrador - em seu show (aquele mesmo que ele criou e apresentou para tentar se salvar da falência), ele conta em imagens (de um telão) e sob seu olhar mais íntimo, as histórias de sua vida em uma retrospectiva bem emocional. Para alguém como eu que cresceu esperando até altas horas da madrugada para ver Tyson destruir seus adversários em segundos, a minissérie entrega o que promete. Obviamente que existem pontos que seriam melhor aproveitados caso o tempo de tela fosse maior - a derrota por pontos (nunca explicada pelo comitê olímpico americano) que não deixou o atleta disputar uma Olimpíadas mesmo sendo o melhor lutador de sua categoria e toda sua decepção por isso, é um fato que merecia mais atenção, até porquê foi por ela que Tyson mudou sua forma de encarar o esporte.

Com um toque HBO de qualidade, “Mike: Além de Tyson” conquista pelo equilíbrio entre o requinte da sua produção, a jornada do protagonista e sua importância na história do esporte (e mais uma vez, fica impossível não comparar com a série do Lakers pelos mesmos motivos). Tyson foi um verdadeiro fenômeno, daqueles que nunca serão esquecidos com o esportista - mesmo com uma vida pessoal caótica. Aliás, muito em breve ele terá suas dores, fantasmas e conflitos explorados na minissérie e aí o tom deve mudar, junto com nosso julgamento e até trazendo mais polêmicas para história - agora é de se elogiar (até aqui) a construção de toda essa jornada de "causa" e "consequência" que o transformou, para muitos, no maior peso-pesado da história do boxe mundial!

E antes de terminar, para quem gosta do assunto e quiser se aprofundar mais nos dramas de Tyson, eu indico a imperdível autobiografia "Mike Tyson: a verdade nua e crua" - tudo que vi na minissérie, está lá!

Read 1596 times Last modified on Segunda, 05 Setembro 2022 10:43

Cookies: a gente guarda estatísticas de visitas para melhorar sua experiência de navegação, ao continuar navegando você concorda com a nossa Política de Privacidade.